Está aqui

Esta casa faz parte de uma serie de muitas que pretendemos revisitar, passados alguns anos de serem construídas e habitadas, o objectivo é perceber como o edifício se está a comportar, e recolher a opinião de quem as habita, agora que passaram já alguns anos para não dizer muitos anos, pois algumas delas têm bem mais de vinte anos.
Surpreendentemente, o ar de satisfação sobre as mesmas tem sido em 100% dos casos muito positiva, incluído a opinião dos amigos e familiares que frequentam os edifícios, é com muita satisfação e é o mais gratificante que um arquitecto pode ouvir.
Quase faz esquecer, as incontáveis horas de trabalho, pela noite dentro, e reuniões a horas em que a maioria dos seres humanos está a descansar, além das incontáveis visitas ás obras e quantas vezes a ajudar a rectificar erros de interpretação de desenhos e também a aprender com quem tem a competência para construir, nas diversas especialidades e subempreitadas. A obra ensina muito e está-se sempre em processo de aprendizagem e partilha das formas de solucionar as propostas desenhadas.
Esta é um desses casos, Partiu-se da ideia de um espaço único que reunisse todo o programa, mas que proporcionasse a devida privacidade, e tendo múltiplas opções de uso e variações, como se a casa se reinventasse permanentemente com pequenas alterações.
O jogo e trabalho da luz e articulação interior exterior foram também determinantes.
Conseguimos tudo isso, apesar de estarmos num “colete-de-forças” que são sempre os loteamentos, demasiado restritivos e burocratizados.
O desafio da forma, foi incentivada pelos clientes, que tinham por referência as obras mais irreverentes que se fizeram neste escritório.
Aliás, é uma constante, a procura da inovação em cada projecto que se faz, procurando um somatório de enriquecimento que interior quer exterior, embora a “perola” tenha que ser o interior, com espaços agradáveis, mas sempre tentando um somatório de pequenas “surpresas atravez dos percursos que o edifício proporciona.