Está aqui

A solução muito adoçada ao terreno e inserida no sítio, teve por desafio mostrar que a arquitectura contemporânea nem sempre se resume a desenhar casas tipo cuja imagem parece um “caixote”. Esta necessidade não foi tanto em relação aos donos de obra mas mais aos seus amigos sobretudo os mais velhos … ou mais conservadores, felizmente à medida que a obra vai evoluindo os cépticos são cada vez menos, e rendem-se à solução adoptada. O terreno encontra-se na confluência de curva e contra curva, com topografia acentuada (a descer) dai que foi possível tirar partido desta situação com um estudo das vistas da casa tanto ao nível do peão como a sua percepção em velocidade (automóvel) . A topografia também ajudou a decidir o programa e a sua localização, na cota superior temos sobretudo a zona social (sala, cozinha, hall principal) , mas também o escritório e um dos quartos, onde se aproveitam as vistas fabulosas sobre a paisagem silvestre e das vinhas. Na cota inferior, ou melhor no patamar inferior mas também com uma excelente exposição solar e selecção de vistas prioritárias sobre os pinheiros, arvores silvestres , e vinhas. A articulação destes dois volumes em cotas altimétricas diferentes, é feita por um terceiro volume adoçado ao terreno e que acompanha o topografia do mesmo. Neste trabalho como em outros existiu sempre a preocupação do tratamento dos elementos primordiais, ar, terra, fogo e água.