Está aqui

A ria vai perder alguma importância como meio de transporte, graças à
grande quantidade de estradas construídas como por exemplo as estradas:
Aveiro-Barra(1855) , Aveiro-Agueda(1862) , Aveiro - Oliveirinha(1863), Aveiro
- Mogofores(1864), Aveiro-Viseu(1965), Aveiro-Ilhavo(1867).
A acrescentar a tudo isto, constroi-se o caminho de ferro(1864).
O comboio vai ser uma ligação real com o mundo, exterior abrindo as
portas ao progresso.
Anteriormente à construção da Avenida Central ( actual Avenida Dr.
Lourenço Peixinho) a cidade está dividida em dois núcleos: a norte "os
cagaréus" ligados às actividades propiciadas pela ria a sul "os ceboleiros"
nome que advém das inúmeras quintas.
Esta divisão é provocada pelo "ilhote do côjo" , um local alagadiço
que surge da ramificação da ria em dois braços.
O esteiro da fábrica, e o esteiro do côjo a norte .
Aliás a palavra côjo ou coja significa zona inundável , alagadiça .
Curiosamente o esteiro da fábrica é o actual canal do côjo , enquanto
que o esteiro do côjo se situava na actual rua conselheiro Luís de
Magalhães e rua Agostinho Pinheiro , passando pela Travessa do
Dispensário.