Está aqui

Este fim de semana por convite familiar passei por Fatima a caminho de
estádio da Luz para assistir ao jogo Benfica-Sporting, o jantar foi na
“Catedral da Cerveja” restaurante situado no Estádio onde a musica de
fundo era o fado.
Bem os três ou melhor quatro f`s estavam reunidos Fatima, Futebol, Familia e
Fado, até no caminho
o “português suave” está tristemente presente.

O estilo “Português Suave” nome roubado a uma marca de cigarros dos
anos 50 e 60 e que incorrectamente é apelidado de “estilo tradicional”
nasce da vontade do antigo regime.
O “estilo” nasce para nitida identificação “medievalista” desde os
beirados, pergulas volutas, cantarias, alpendres, torres, etc.
Numa sociedade fechada onde a cultura não é priviligiada, e o acesso ao
saber é muito condicionado o conceito espalha-se como erva daninha ajudada
por pequenos mestres de obras, construtores, curiosos, desenhadores,
engenheiros, autarcas, imobiliárias.
È curioso por mais estranho que pareça, o estilo “português suave”
serviu também de “cavalo de batalha” numa primeira fase contra a casa
trazida pelos emigrantes cujas referências eram do seu local de
emigração, para numa segunda fase estes absorverem também o “estilo”.
O pais encontra-se hoje todo ele “suavizado” por um estilo de “faz de
conta” , é quase um conto de fadas...