Está aqui

Com dois pisos e aproveitamento do sótão, o projecto foi muito discutido e
amadureceu após longas e imensas reuniões que se revelaram interessantes,
é sem duvida um caso de “fato por medida” pois é muito o espelho dos
donos e reflexo da sua postura perante a vida.
Fechou-se a casa aos ventos nordeste que na Gafanha da Encarnação que
particularmente na zona onde nos situamos são muito desagradáveis e também
se protegeu da insolação poente.
Ambos os objectivos foram atingidos por laminas verticais e ainda com a
localização da garagem e espaços de serviço.
No piso térreo a cozinha distribuída em “ilha” (alias foi a primeira
cozinha desenhada com esta peculiar forma) tem vistas privilegiadas sobre o
amplo jardim e horta que com ela confronta e comunica para a copa totalmente
envidraçada e que é um filtro antes da entrada na sala.
O primeiro piso uma sala de trabalho com pé direito duplo para o sótão e
que partilha com este espaça das vistas sobre a Costa Nova e toda a costa
desde a Barra à Vagueira.
No sótão separado em dois espaços pela escada tem vivência do imaginário
juvenil do Sótão.
Os materiais todos com os memos tons de beije claro desde a tijoleira até à
caixilharia com o anodizado “Ciza Vieira” em tons beije “champanhe”.