Está aqui

Neste caso o sótão existe porque de todo não foi possível optar por
cobertura plana, pois as regras do loteamento assim obrigaram, no entanto tal
facto não foi obstáculo pois o sótão tem no nosso imaginário um papel
importante, como espaço quase de mistério onde se arrumam coisas e fica o
baú das recordações e espaço de abrigo dos fantasmas, alojados no nosso
cérebro. É um ponto de partida fantástico para trabalhar este espaço.
Assim sendo usou-se os materiais mais “tradicionais” como seja a madeira
desde o piso onde o uso de soalho não era possível optou-se por uma
solução de pavimento com base de contraplacado de madeira e quase um
centímetro de madeira nobre, a estabilidade conferida à madeira pela base
de contraplacado marítimo permite larguras e profundidades de madeira muito
superiores ao habitual. A própria selecção da madeira foi de carvalho
francês tal como é cortado da árvore com os nós á vista a assumidos na
peça. Tecnicamente optou-se por colar a madeira ao piso conseguindo-se outra
estabilidade ao piso e mesmo conforto ao andar.
A solução foi fornecida pela firma Impar SA sendo o sistema o Duet-wood,
uma solução interessante para quem como eu “abomina os flutuantes e ainda
mais os estratificados, não são dignos de uma habitação.